31/ 03/ 2006 - agência envolverde

Incentivo a trabalhos de campo

Instituto oferece bolsas para quem desenvolve projetos sobre
Cerrado e Amazônia. Saiba como concorrer

Alunos de graduação, pós-graduação, professores e pesquisadores da Universidade de Brasília (UnB) que desenvolvem trabalhos voltados para a preservação da Amazônia e do Cerrado poderão ganhar um importante incentivo. Trata-se dos programas Pesquisas Ecossociais no Cerrado (Pesco) e Bolsas de Estudo para a Conservação da Amazônia (BECA), ambos do Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB). Na quinta-feira, dia 30 de março, haverá uma reunião às 10h, no auditório da Reitoria da UnB para apresentação formal dos programas à comunidade acadêmica. O prazo final para submissão de candidaturas é 28 de abril de 2006.

Os dois programas (veja quadro) oferecem apoio financeiro e ajuda de custo para manutenção (alimentação e moradia), taxas escolares e acadêmicas, transporte de ida e volta para a instituição ou programa onde serão efetuados os estudos, livros, material de consumo e suprimentos, custos relativos à pesquisa de campo.

O diretor acadêmico do IEB Henyo Barretto explica que os valores concedidos na bolsa do programa BECA não são fixos. “Cada concorrente deverá apresentar uma proposta de trabalho com os recursos necessários para sua realização. A partir daí, a viabilidade será analisada”, explica. As formas de inscrição e os critérios de avaliação dos programas serão explicados por Barretto durante a apresentação dos projetos.

Programa beca

Atenderá pesquisas relacionadas à conservação, uso sustentável e repartição dos benefícios oriundos da biodiversidade na Amazônia brasileira. Os alunos de graduação poderão receber até U$ 2 mil, os de mestrado e doutorado até U$ 14 mil para trabalhos realizados no país e até U$ 60 mil para estudos no exterior. A bolsa possui duração máxima de dois anos e a quantidade dependerá da qualidade das propostas recebidas, a ser avaliada por uma comissão definida pelo IEB.

Programa pesco

Foi criado para estimular pesquisas enfocando as experiências de projetos ligados à conservação e uso sustentável da biodiversidade no Cerrado em áreas como fauna silvestre, apicultura, agro-extrativismo, plantas medicinais, artesanato, beneficiamento de frutos e outras, financiados no âmbito do PPP-ECOS (www.ispn.org.br). O valor máximo repassado nesse programa será R$ 2,5 mil para a graduação e de R$ 5 mil para a pós-graduação. Assim como no BECA, a quantidade de bolsas dependerá da avaliação da comissão do IEB.

Prestação de contas

Ao final dos trabalhos, o bolsista deve apresentar um relatório descritivo das atividades desenvolvidas, além dos relatórios parciais devidos a título de monitoramento. Também deverá ser encaminhada uma cópia do trabalho final ao IEB (seja ele artigo, monografia, dissertação, ou tese).

Apoio

Estudante de mestrado em Gestão e Política Ambiental pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS) da UnB, Leila Soraya Ramos Menezes conseguiu, em dezembro de 2005, uma bolsa do programa BECA no valor de R$ 12 mil. O trabalho dela avalia a proteção da floresta Amazônica em terras indígenas.

O objeto de estudo escolhido foi o caso do povo Ashaninka no Brasil, que reside na aldeia Apiwtxa (localizada no estado do Acre, na fronteira com o Peru). “A terra Apiwtxa sofre com a invasão de madeireiros peruanos desde 1999. No início do meu trabalho, tive muitas dificuldades ao acompanhar de perto o caso, por falta de incentivos, mas com essa bolsa dei continuidade e poderei concluir minha pesquisa e dissertação”, comemora.

O professor do Departamento de Engenharia Florestal da UnB Humberto Ângelo considera os incentivos para pesquisas fundamentais para viabilização dos trabalhos. “Esses projetos trazem muita motivação ao pesquisador que, muitas vezes, tem a oportunidade de apresentar o resultado para organismos internacionais”, avalia.

Entre 2002 e 2005, Ângelo desenvolveu projeto sobre as relações entre o desmatamento na Amazônia, fatores sociais e econômicos e qual a participação de cada uma (pecuária, ação de madeireiras, agricultura, e malha viária) no desmatamento. Para o desenvolvimento do trabalho ele recebeu da Food and Agriculture Organization (FAO) - órgão ligado a Organização das Nações Unidas (ONU) - verba no valor de US$ 20 mil.

Serviço

O edital e o formulário para candidatura estão disponíveis no site www.iieb.org.br, assim como outras informações necessárias para as candidaturas. Outras informações pelo telefone (61) 3248-7449. O prazo final para submissão de candidaturas ao programa PESCO é 28 de abril de 2006. O programa BECA tem duas chamadas anuais para submissão de candidaturas. Os prazos finais são 31 de março e 1º de setembro de 2006.